Imaginação ativa é uma técnica mental que você pode usar para entrar em contato com sua mente subconsciente, engajando-se ativamente com o conteúdo de sua imaginação.



Usando a imaginação ativa na interpretação dos sonhos
O método que Jung ensinou é simples, tudo o que precisamos fazer para começar a praticar  é escolher um dos nossos sonhos mais recentes para analisar, pegar uma caneta e papel, encontrar um lugar agradável para sentar e meditar e seguir estes passos: 
Um sonho é um exemplo simples para começar, você pode trazer outras situações ou temas específicos usando o mesmo processo. 
Etapa Um - Relaxamento e  Foco 

Você pode começar deitando-se de costas em uma posição confortável e certificando-se de não ser incomodado (se achar que isso ajudaria, toque uma música de fundo). Respire fundo algumas vezes para relaxar ainda mais 

Quando começamos a meditar, nossas mentes geralmente estão muito ativas e agitadas, portanto, nossa primeira parada é acalmar a mente e controlar nosso fluxo de atenção.  Por isso é importante praticar a habilidade se desenvolve como um músculo.

À medida que a mente relaxa, nos tornamos conscientes de nosso ponto de observação que está ali "testemunhando" todos os nossos pensamentos precipitados. Esta é a nossa mente consciente e é a ferramenta que usaremos em nosso próximo passo.

Etapa dois -  trazer o tema e  focar nele. (Aqui focamos no sonho)

Quando a mente se acalma e sentimos que estamos presentes, movemos nossa atenção para uma imagem do sonho recente que escolhemos.

O truque aqui é manter nossa atenção voltada para o sonho por muito tempo. Nossa mente pode escorregar e pensar no almoço, em fazer compras, no trabalho ou em como é feito o leite em pó, mas quando isso acontece, calmamente apenas voltamos nossa atenção para a imagem do sonho. Sem autocrítica! 

Aqui seguimos com o exemplo do sonho, mas no final desta postagem tem uma sugestão  de trazer outros "temas" para trabalhar neste processo.

Etapa três - permitir que o inconsciente fale

Quando focamos na imagem do sonho, estamos perscrutando a mente inconsciente. Para “captar a mensagem” de que o inconsciente está tentando nos comunicar por meio de nosso sonho, precisamos começar a permitir que o inconsciente fale por meio da imagem.

Para fazer isso, precisamos afrouxar nosso foco apenas o suficiente para que o inconsciente possa começar a animar a imagem do sonho, mas precisamos ter cuidado para não afrouxar muito nosso controle ou podemos ficar absorvidos e nos descobrirmos pensando em  outras coisas novamente.

Esse é o passo crucial, pois, à medida que permitimos que nossa mente inconsciente fale, podemos voltar à narrativa do sonho ou acabar falando com um dos personagens do sonho. Às vezes pode até ser escuro ou estranho, especialmente se estivermos usando isso para entender pesadelos, mas está tudo bem, este é um bom lugar para enfrentar nossos medos e aceitar nossas aspirações. 

Aqui você não controla o sonho ou sua imaginação, você permite que ele tome vida, seus personagens tomam vida, você controla apenas a si mesmo e suas reações, mas permita que elas sejam instintivas e naturais ao mesmo tempo que você é observador.

Qualquer que seja a forma que essa “manifestação” assuma, envolva-se com ela e tente se lembrar dela o mais vividamente possível, porque em nosso próximo passo iremos trazê-la à vida .

Etapa quatro - Incutir as lições da imaginação ativa com um ritual físico


Em primeiro lugar, Agora devemos pegar o papel e escrever, tudo o que acabamos de experimentar no silêncio de nossa mente - nesse processo você pode receber mais insights. 

Você também pode desenhar ou pintar.

Etapa cinco - torne-se um analista

Agora vamos fazer uma pausa. Podemos ir fazer um chá ou café. Tiramos nossas mentes da imaginação e voltamos à consciência normal.

Quando estamos prontos e com os pés no chão, nos voltamos nosso intelecto, e vemos se podemos encontrar a mensagem contida no que acabamos de fazer, seja arte ou seja escrita.

Você vai pensar em diferentes possibilidades e de repente algo vai “clicar” em sua psique e você saberá que é a resposta certa.

Talvez você note que as imagens que viu simbolizam uma parte negligenciada de sua personalidade. Talvez haja uma alma livre em você, mas todo esse tempo você estava falando sério demais. Talvez você tenha percebido uma forte necessidade de espontaneidade, mas recentemente você estava tão rígido. Talvez você queira construir conexões mais profundas com outras pessoas, mas você era frio e calculista.

Existe um sexto passo se você quiser tentar aqui que é entrar em contato físico  com o que o processo te trouxe, isso pode ser um movimento, um som, uma experiência.

Este ritual físico é uma expressão simbólica do insight que você ganhou durante sua sessão de imaginação ativa. Se você sentiu uma conexão profunda com a natureza, pode entrar profundamente no ambiente natural e tocar simbolicamente em uma velha árvore. Se você sentiu necessidade de vigor e movimento, talvez queira reconhecê-los com uma dança. Se você conheceu uma parte criativa de si mesmo, talvez queira criar uma pequena escultura.

Ao fazer isso, você diz para o seu eu mais profundo - “Eu te entendo”. Isso não apenas o encherá de reverência, mas também resolverá alguns dos conflitos que se escondem nas profundezas da psique. Usando a terminologia junguiana, poderíamos dizer que os opostos se unirão para criar um todo mais integrado.

PARA OUTROS TEMAS:

Na etapa dois você traz o tema, que pode ser uma emoção, uma lembrança, uma situação...Você pode fazer algumas perguntas ao inconsciente:

Onde está a obsessão? Quem está obcecado? De onde vem esse sentimento? Quem é aquele dentro de mim que se sente assim? Qual é a sua imagem? Como ele ou ela se parece? De onde surgiu isso? Quando eu senti isso antes? Quando eu aprendi isso?

Depois de algum tempo, as imagens devem começar a aparecer em sua menteNem sempre funciona assim e depende da sua personalidade, se são coisas mais abstratas, pode vir apenas sensações e um "saber", - Eu sei que é uma tempestade, uma briga etc. - sem a imagem especificamente construída de imediato. Mas isso basta para dar inicio, as imagens vão se formando no momento que você reconhece as coisas que está percebendo mesmo sem vê-las. 

Carl Jung achava que a melhor maneira de praticar é evitar exercer influência sobre as imagens da mente inconsciente. É melhor olhar para eles com consciência e perceber quaisquer mudanças que possam aparecer. Novamente, é importante não cair na fantasia passiva.

"A imaginação ativa é distinta da fantasia , o que significa que as imagens encontradas na imaginação ativa têm vida própria e que os eventos simbólicos se desenvolvem de acordo com sua própria lógica. A técnica da imaginação ativa está relacionada aos sonhos e é um fato curioso que o sonho diminui drasticamente quando a pessoa se envolve com ele. É como se a técnica proporcionasse comunicação com o inconsciente durante as horas de vigília, para que à noite você possa descansar mais profundamente." - Carl Jung 

RECOMENDAÇÕES DE LIVROS SOBRE IMAGINAÇÃO ATIVA E ARQUÉTIPOS